Maratona de Nagoya não registra casos de Covid-19

Largada da Maratona Feminina de Nagoya. Duas semanas após a prova, nenhum caso de Covid-19. (Divulgação)
Largada da Maratona Feminina de Nagoya. Duas semanas após a prova, nenhum caso de Covid-19. (Divulgação)

Duas semanas após reunir 4.704 corredoras japonesas, a Maratona Feminina de Nagoya não registrou nenhum caso de pessoas contaminadas ou casos suspeitos por Covid-19. A prova, a primeira corrida de rua com a participação de público no Japão desde o início da pandemia e que serviu de teste para as Olimpíadas de Tóquio, teve um rigoroso protocolo sanitário. 

Para evitar a transmissão da Covid-19, considerara a maior maratona feminina do mundo segundo o Guinness World Records e que tem o selo platina da World Athletics, adotou várias medidas em todos os locais do evento durante a prova. Os critérios foram estabelecidos por um comitê da maratona que reuniu um escritório de controle com médicos, autoridades de Nagoya e de Aichi, Associação japonesa de Federações de Atletismo (JAAF). Tudo foi feito de acordo com o plano de controle de infecções de acordo com a Orientação da JAAF sobre a retomada das corridas de rua e conselhos de especialistas médicos e funcionários do governo local.

Na Maratona Feminina de Nagoya de 2021, um total de 15 mil pessoas estiveram envolvidas, incluindo corredores, voluntários, profissionais de saúde, oficiais de corrida e funcionários, todos submetidos a um rígido processo de segurança sanitária contra o novo coronavírus.

Medidas do protocolo de segurança da Maratona de Nagoya

  • Uso de máscaras em todos os momentos (exceto para corredores durante a competição);
  • Higienização frequente na chegada, após o término, antes e depois de usar o banheiro, etc.;
  • Verificação da temperatura em casa e na chegada (atletas com febre de 37,5 graus Celsius ou superior não puderam participar);
  • Monitoramento, registro e envio da condição de saúde e temperatura corporal (através de um formulário web) uma semana antes da corrida
  • Distanciamento social nos blocos iniciais (mais de um metro entre corredores)
  • Largada gradual por cada bloco inicial;
  • Alimentos embalados em estações de hidratação e higienização de mão antes de pegá-los;
  • Máscaras faciais distribuídas após o término da corrida;
  • Distanciamento social na área de enfermaria e uso limitado a 15 minutos;
  • Distribuição de máscaras, face shield, óculos e desinfetante de álcool portátil para staff;
  • Plano de gestão de crises para cenários potenciais; 
  • Ambulância para transporte de paciente suspeito Covid-19;
  • Divulgação em veículos de imprensa de pedido para que as pessoas não fossem às ruas acompanhar o evento.

Campeã tem sua primeira vitória na carreira

Por causa Devido à pandemia da Covid-19, o número de participantes caiu pela metade em relação aos últimos anos: de 22 mil para 11 mil no momento da inscrição na corrida. Considerando o status de infecção no Japão, a organização da maratona decidiu aceitar os pedidos dos participantes registrados que desejassem mudar sua inscrição para uma corrida virtual, a Maratona Online Feminina de Nagoya 2021, que, no final, tornou a corrida presencial um evento com cinco mil participantes.

A campeã da prova foi Mizuki Matsuda, com o tempo de 2h21m51s. Atleta reserva da equipe olímpica do Japão na maratona, essa foi sua primeira vitória na distância, que correu os 42,195m sem ser importunada pelas oponentes. Seu maior adversário foram os ventos fortes. Em segundo lugar ficou Sayaka Sato, com 2h24m32s, seguida por Natsumi Matsushita, com 2h26m26s, Mira Waku, com 2h26m30s, e Hanae Tanaka, com 2h26m49s.

COMPARTILHE
Sobre Iúri Totti 1090 Artigos
Iúri Totti é jornalista, com mais de 30 anos de experiência na grande imprensa, principalmente na área de esportes. Foi o criador das sessões “Pulso” e “Radicais” no jornal O Globo. Tem 13 maratonas, mais de 50 meias maratonas e dezenas de provas em distâncias menores. "Não me importo em ser rápido. A corrida só precisa fazer sentido, dar prazer."