Câmera em bloco de partida em Mundial causa polêmica

Largada de uma bateria dos 100m do Mundial de Doha. Foto IAAF
Largada de uma bateria dos 100m do Mundial de Doha. Foto IAAF

Uma inovação no Mundial de Atletismo de Doha, no Qatar, está causando polêmica entre os atletas. Para aproximar os telespectadores da ação dos competidores, a Federação Internacional de Atletismo (IAAF) instalou duas câmeras em cada bloco de partida para capturar o que chama de “explosão de energia” de atletas, mirando as pernas e olhos dos corredores. Mas nem todos estão gostando.

– Não estou muito interessado nisso, porque está invadindo meu espaço privado em certo sentido”, disse à agência AP a sul-africana Akani Simbine, que terminou em quarto lugar na final dos 100m, no último sábado de sábado. – Estar nos blocos é um dos espaços sagrados do atleta e é esse o ponto em que você só quer ficar sozinho e ser livre. Você tem uma câmera na cara e não quer realmente ter uma câmera na cara.

Imagens da largada dos 100m feminino captada pelas lentes do bloco de partida do Mundial de Doha
Imagens de uma largada dos 100m feminino captadas pelas lentes do bloco de partida do Mundial de Doha

O americano Justin Gatlin, ouro nos 100m nas Olimpíadas de Atenas-2004 e no Mundial de Londres-2017, se disse preparado para câmeras que capturavam imagens suas em novos ângulos.

– Eu me assegurei de usar minha cueca da sorte – brincou o medalha de prata em Doha.

Federação alemã se queixa

Para outros, a invasão de privacidade não era motivo de riso. A reação contra os ângulos vindos do bloco de partida começou assim que os atletas tiveram suas imagens divulgadas.

– Meus amigos me disseram que as imagens não eram muito lisonjeiras – disse a britânica Dina Asher-Smith, ouro nos 200m e prata nos 100m no Mundial de Doha.

As câmeras de um bloco de partida
As câmeras de um bloco de partida

A Federação Alemã de Atletismo fez uma queixa oficial à Federação Internacional de Atletismo (IAAF). Isso levou os organizadores da competição a rever o uso das câmeras que foram introduzidas em Doha como parte de um esforço tecnológico para atrair novos espectadores. Outra novidade para a TV é o escurecimento da pista antes das provas para a projeção gráficos nas raias.

– Observamos algum feedback específico sobre as câmeras de bloco e confirmamos que temos medidas apropriadas para proteger a privacidade dos atletas durante o processo de seleção de imagens para transmissão – afirmou a IAAF em comunicado. – Também temos diretrizes editoriais rígidas para o que é transmitido e elas são observadas desde o início dos campeonatos.

Mais próximos dos fãs

Nem todos os atletas se opuseram à novidade.

– É muito legal para que nossos fãs vejam o que acontece nos blocos de partida – disse o canadense Andre de Grasse, medalha de bronze na final das 100, atrás do campeão americano Christian Coleman e de Gatlin, que ficou surpreso ao ser informado por um espectador que seus olhos estavam fechados na largada. – Mas não pode se distrair com isso. É preciso estar concentrado na sua corrida e não olhar muito para a câmera.

Já o pai e treinador do italiano Filippo Tortu também observaram que o velocista fechava os olhos no momento da largada no Estádio Internacional de Khalifa.

– Ele não sabia que eu largava com os olhos fechados – disse o italiano. – Ele viu na câmera e disse: ‘Você é o único no mundo que faz isso. Por quê?’. Mas acho que é muito positivo ter essas imagens mostradas pela TV. É importante para nós.

O velocista britânico Zharnel Hughes achou interessante a iniciativa, mas não gostou do barulho vindo da câmera.

– Às vezes você ouve a câmera dentro dos blocos – disse ele. – É um recurso interessante, mas é um pouco assustador ao mesmo tempo, porque está olhando para o nosso nariz. Você não está olhando para a câmera, mas sabe que está lá porque ouve seu funcionamento.

Para o campeão dos 100m, a iniciativa em oferecer novos ângulos para os telespectadores é válida, mas tem pouco valor, pois, para ele, a competição não é somente um espetáculo.

– As pessoas querem ver corridas competitivas – disse Coleman, depois de conquistar o título mundial dos 100m. – É isso que realmente promoverá o esporte.

COMPARTILHE
Sobre Iúri Totti 966 Artigos
Iúri Totti é jornalista, com mais de 30 anos de experiência na grande imprensa, principalmente na área de esportes. Foi o criador das sessões “Pulso” e “Radicais” no jornal O Globo. Tem 13 maratonas, mais de 50 meias maratonas e dezenas de provas em distâncias menores. "Não me importo em ser rápido. A corrida só precisa fazer sentido, dar prazer."

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*