Triathlon de Santos: vitória de Messias e Luísa Baptista

Manoel Messias vence a 29ª edição do Triatlhon de Santos. (Divulgação)
Manoel Messias vence a 29ª edição do Triatlhon de Santos. (Divulgação)

Com o tempo de 59m52s, o cearense Manoel Messias garantiu a vitória na 29ª edição do Triathlon Internacional de Santos, neste domingo (9/2), que teve a participação de 600 atletas de sete países (Brasil, Argentina, Uruguai, Japão, Cazaquistão, Luxemburgo e Filipinas). Classificado para a equipe brasileira de triatlhon nas Olimpíadas de Tóquio, em julho, o cearense foi o único triatleta a cumprir os 750m de natação, 20km de ciclismo e 5km de corrida em menos de 1 hora. No feminino, Luísa Baptista, que também faz parte da seleção olímpica, ganhou com o tempo de 1h03m38s.

– Consegui assumir a liderança no início da corrida e fui ampliando minha vantagem aos poucos. Me senti bem na metade final da corrida e estou bem feliz com o resultado – comemorou Messias, que elogiou a estrutura da prova. – O Triathlon de Santos foi bem legal. Tudo bem sinalizado e estrutura realmente bacana.

Campeão viaja para o México de olho nas Olimpíadas

Com seu lugar garantido em Tóquio-2020, Messias, de 23 anos, está focado em sua primeira experiência olímpica.

– Representar o Brasil é sempre gratificante. Seguirei treinando com a cabeça em competir em Tóquio, no Japão, e nas etapas internacionais que virão pela frente até lá – afirmou o campeão em Santos, que viaja neste domingo para o México para treinamento na altitude.

Manoel Messias vence a 29ª edição do Triatlhon de Santos. (Divulgação)
Manoel Messias vence a 29ª edição do Triatlhon de Santos. (Divulgação)

O segundo colocado no Triathlon de Santos foi o brasileiro Miguel Hidalgo, com 1h00m25s; seguido pelo argentino Luciano Taccone, com 1h00m52s, campeão da prova em 2019. O também brasileiro Kaue Willy terminou em quarto lugar, com 1h00m54s, e Ayan Beisenbayev, do Casaquistão, em quinto, com 1h01m17s.

Erro na transição e perda da liderança no Triathlon de Santos

O paulista Miguel Hidalgo foi o primeiro a completar a prova da natação. Após estar em terceiro no início da corrida, recuperou uma posição para levar o vice-campeonato.

– Foquei unicamente em fazer minha prova. Nadei bem tranquilo e cheguei na frente na primeira boia, puxando a natação o tempo todo. Errei na primeira transição, então fui buscando os adversários e conclui em segundo. Deu tudo certo na bike, revezamos bem e abrimos do grupo, para decidirmos na corrida – disse ele.

Disputa acirrada na Elite feminina

Entre as mulheres, a decisão do Triathlon de Santos acabou tendo maior equilíbrio. Pouco mais de dez segundos separaram a campeã, Luísa Baptista (1h03m38s), da terceira colocada, a também brasileira Djenyfer Arnold (1h03m49s). A segunda colocada foi a argentina Romina Biagioli, que travou uma bonita disputa com Luísa, concluindo sua prova em 1h03m44s. A japonesa Juri Ide e a brasileira Luma Guillen completaram o pódio, com os tempos de 1h05m51s e 1h07m49s, respectivamente.

– A Romina é minha parceira de treino em São Carlos. Aqui em Santos foi um desafio a mais, porque ela ficou na minha cola o tempo todo. Sabia que se eu deixasse para o último quilômetro, poderia ser superada. Foi um jogo mental, repleto de ataques e acho que, no final, prevaleceu minha experiência, porque foi minha sétima vez- disse Luísa, de 25 anos, campeã em Santos em 2015. – As Olimpíadas são o momento que todo atleta espera, por isso minha expectativa é bem alta na minha estreia na competição.

Top 3 do feminino, Romina, Luísa e Djenyfer. (Divulgação)
Top 3 do feminino, Romina, Luísa e Djenyfer. (Divulgação)

O segundo lugar na Triatlhon de Santos foi comemorado pela argentina.

– Tive uma pequena queda no ciclismo, o que me fez perder um pouco de tempo e precisei me recuperar. Na primeira volta tentei manter um ritmo progressivo e cheguei na Luísa. Treino com ela e sei que sempre guarda um gás final. Quando você acha que está cansada, ela tem mais para dar. No fim fiz uma mudança de ritmo pensando que eram os metros finais, mas ainda faltava meia volta e me cansei. Apenas aguentei forte para não ser ultrapassada. Estou contente e orgulhosa pelo meu resultado – destacou Romina.

Amadores abrem o Triathlon de Santos

Os amadores deram início ao Triatlhon de Santos, com três largadas entre às 6h45m e 6h55m. As distâncias foram diferentes: 1,5km de natação, 40km no ciclismo e 10km na corrida. Os mais rápidos entre os amadores foram Daniel Ruman (2h00m10s), da categoria de 30 a 34 anos, Emerson Gomes (2h00m38s), de 45 a 49, e Paulo Puccinelli (2h02m58s), de 30 a 34.

Entre as mulheres, a mais rápida das amadoras foi Mariana Penatti, que concluiu as três modalidades em 2h17m04s, na categoria 30 a 34. O top 3 geral do feminino teve outras duas triatletas da categoria de Mariana: Patrícia Mendes e Marina Jacob, em 2h20m42s e 2h24m44s, respectivamente.

Triathlon de Santos já recebeu estrelas da modalidade

O ano de 2020 marca uma nova fase para a prova, disputada desde 1991, que transformou Santos na capital brasileira do triathlon, acompanhando a evolução da modalidade e fazendo parte de sua história, sendo a primeira competição a contar com atletas internacionais de peso. A partir desta edição, ganha ainda mais destaque.

Ao longo desses anos, o Triathlon de Santos reuniu alguns dos maiores nomes do circuito nacional e internacional como Mark Allen, Scott Molina, Spencer Smith, Ken Glah, Olivier Marceau, Victor Plata, Chris McCormack (Macca), Greg Welch, Craig Alexander (Crowie), Tim Dom, Oscar Galindez, Ezequiel Morales, Leandro Macedo, Alexandre Manzan, Marcus Ornelas, Armando Barcellos, Alexandre Ribeiro, Juraci Moreira, Reinaldo Colucci, Marcus Fernandes, Fábio Carvalho, Paulo Miyashiro, Igor Amorelli. Entre as mulheres, Fernanda Keller, Suzanne Nielsen, Carol Montgomery, Michelle Jones, Nina Craft, Rachel Joice, Carla Moreno, Mariana Ohata, Adriana Piasek, Cris Carvalho (em memória), Márcia Ferreira e Sandra Soldan.

O Triathlon Internacional de Santos teve patrocínio de Hoka One One, Aqua Sphere e Gu Energy, com apoio da Confederação Brasileira de Triathlon, Prefeitura e Secretaria de Esportes de Santos, Hospital São Lucas e Sabesp. Hotel oficial: Sheraton. A organização foi da Norte Marketing Esportivo.

Campeões do Triathlon de Santos
  • 2020 – Manoel Messias (BRA) e Luísa Baptista (BRA)
  • 2019 – Luciano Taccone (ARG) e Bia Neres (BRA)
  • 2018 – Marcus Fernandes (BRA) e Bia Neres (BRA)
  • 2017 – Flavio Queiroga (BRA) e Bia Neres (BRA)
  • 2016 – Marcus Fernandes (BRA) e Ariane Monticeli (BRA)
  • 2015 – Marcus Fernandes (BRA) e Luisa Baptista (BRA)
  • 2014 – Marcus Fernandes (BRA) e Carla Moreno (BRA)
  • 2013 – Reinaldo Colucci (BRA) e Carla Moreno (BRA)
  • 2012 – Reinaldo Colucci (BRA) e Carla Moreno (BRA)
  • 2011 – Reinaldo Colucci (BRA) e Carla Moreno (BRA)
  • 2010 – Reinaldo Colucci (BRA) e Nina Kraft (EUA)
  • 2009 – Reinaldo Colucci (BRA) e Carla Moreno (BRA)
  • 2008 – Paulo H. Miyashiro de Abreu (BRA) e Carla Moreno (BRA)
  • 2007 – Paulo Henrique Miyashiro de Abreu (BRA) e Nina Kraft (ALE)
  • 2006 – Oscar Galindez (ARG) e Carla Moreno (BRA)
  • 2005 – Victor Plata (USA) e Carla Moreno (BRA)
  • 2004 – Victor Plata (USA) e Gisele Bertucci (BRA)
  • 2003 – Oscar Galindez (ARG) e Sandra Soldan (BRA)
  • 2002 – Doug Friman (USA) e Carol Montgomery (CAN)
  • 2001 – Oscar Galindez (ARG) e Michelle Jones (AUS)
  • 2000 – Oscar Galindez (ARG) Suzane Nielsen (DIN)
  • 1999 – Greg Welch (AUS) e Michelle Jones (AUS)
  • 1998 – Oscar Galindez (ARG) e Michelle Jones (AUS)
  • 1997 – Olivier Marceau (FRA) e Michelle Jones (AUS)
  • 1996 – Leandro Macedo (BRA) e Michelle Jones (AUS)
  • 1995 – Ken Glah (USA) e Carol Montgomery (CAN)
  • 1994 – Oscar Galindez (ARG) e Carol Montgomery (CAN)
  • 1993 – Oscar Galindez (ARG) e Melissa Mantak (USA)
  • 1992 – Scott Molina (USA) e Sylvian Puntous (CAN)

COMPARTILHE
Sobre Iúri Totti 1009 Artigos
Iúri Totti é jornalista, com mais de 30 anos de experiência na grande imprensa, principalmente na área de esportes. Foi o criador das sessões “Pulso” e “Radicais” no jornal O Globo. Tem 13 maratonas, mais de 50 meias maratonas e dezenas de provas em distâncias menores. "Não me importo em ser rápido. A corrida só precisa fazer sentido, dar prazer."

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*